sábado, 13 de outubro de 2012

Abortando Abortistas


Aqui, um pequeno texto meu sobre aborto.

Abortando Abortistas



Ah, se eu fosse! Mas não sou!
Ah, se eu pudesse! Mas não posso!

Ah, se eu fosse Deus para julgar os amantes do aborto!
Ah, se eu pudesse fazer o que quisesse!


Então eu diria:

Tenho eu uma filha. Uma mulher que aborta.
Estou gerando-a! Mas não mais a quero! Matarei a ela! Quem me impedirá?

Mas afinal, o que pensava eu?

Ah, mas eu diria: ela não é minha filha. É minha coisa! É minha coisa, e eu faço o que eu quero. Não é minha filha. É minha coisa! Filha, eu considerarei como tal quem eu quiser, a esta coisa, destruirei!

Mas que horror! Eu, fazer tal coisa?

Mas eu diria então a ela: mas ela não é minha filha! Fui forçado a ter esta criatura defeituosa, monstruosa, filha de estrupros! Eu não a quero! Eu não a quero! Tenho eu obrigação de aceita-la?

Então eu a mataria, e quem me impediria? Eu seria o legislador! Quem me daria argumento?

Mas se me dissessem: Mas ela é um ser vivo, eu diria: Ela ia morrer logo de qualquer maneira. Ela estava destinada a morte em breve, não tenho de me importar! Tanto faz!

Que me dirão, que ela tem que ter direito a vida? Não, eu me pus no lugar de Deus, eu posso julgar! Eu decido quem tem direito e quem não tem. Eu sei o que vai acontecer, eu sei julgar!
Eu sei que aquela criatura, que nem humana é ainda de verdade, não é uma cidadã de verdade, por causa das leis nas quais me apoio, ela pode ser abatida a qualquer hora!

Diria então aos que me obrigassem a explicar, já tendo feito minha vontade, sem ligar: Ela ia ser infeliz! Eu sei! Eu sabia o futuro dela, eu conheço o mundo. Eu sei que ela seria infeliz!

Então eu a teria morta, arrancada de minha casa, tratada como um mero objeto, inferior a um animal.

E como não posso eu fazer isso? Ela nem tem cérebro! Ela não pensa! Será que tem um cérebro? Vai morrer logo, tanto faz! Ela não pensa! Será retardada! Olhem, ela é feia, abominável, é filha de estupro, me lembra do estuprador, que muito já me traumatizou! Ela não tem cérebro, sua cabeça é oca! Ela não pensa, ela em certo sentido nem viva está!

Matarei ela antes que desenvolva coração! Antes que comece a pensar! Matarei-a antes que cresça, e que chore, e que me faça ter pena dela, por estar necessitada. Matarei-a antes de que ela pareça minha filha, como um bebê indefeso e frágil que não sabe se defender sozinho.

Assim me livrarei dela, e dos meus sentimentos!

Mas então me lembrei! QUEM SOU EU PARA ME POR NO LUGAR DE DEUS?!
Mas que eu queria aborta-las, que queria cancelar aquele projeto, eu queria. Porque não tinha por elas amor como se fossem minhas filhas.

Nenhum comentário:

Postar um comentário