quinta-feira, 28 de março de 2013

Somos obrigados a legalizar o casamento homossexual?

Legalmente falando, temos os evangélicos direito de barrar o casamento homossexual?
Legalmente falando evangélicos podem proibir a homossexualide? Legalmente falando, o que é justo?


Antes de falarmos sobre a legalidade, vamos esclarecer alguns pontos:

1 - O estado é laico, não ateu, ele impede a religião, a igreja como instituição de governar, mas os representantes de uma população de 90% de cristãos auto-declarados, por exemplo, tem direito de representar os seus interesses, os dos seus represantes, que tem valores religiosos.

2 - Não existe posição neutra com relação a valores religiosos. Ou os valores são aceitos ou não. Não tem como ser "laico" no sentido de deixar totalmente de fora os valores religiosos sem criar um sistema de anulação deles independentemente da sua popularidade, e assim forjando um estado que tem tendencia a valores apateístas, e consequentemente ateístas, sendo que incentivo a homossexualidade está ligado a isso, mas há uma parcela gigantesca da população que se opõe a qualquer tipo de incentivo da pratica, e estão sendo neutralizados democraticamente simplesmente pq são religiosos.

3 - O sistema democratico tem sim uma falha de tender a defender os valores da maioria. Não é um sistema perfeito.

4 - O estado legaliza (contra valores cristãos) o sexo sem casamento e a homossexualidade inclusive, mas bloqueia praticas sexuais que acha sociológicamente inaceitavel em parte devido a valores cristãos como o caso da pedofilia.

5 - O estado tem um conceito de familia que é de um homem e uma mulher unidos para constituir familia. O estado constituido tem o dever de proteger a familia, até então nunca definida como coisa diferente apesar de haver muitas familias de exceção.

Agora vamos para o campo da teologia:

1 - Teológicamente falando democracia não existe. O governo do mundo é de Deus, o mundo inteiro é uma teocracia. Jesus é rei dos reis e Deus é Senhor do mundo inteiro, soberano acima de qualquer nação ou qualquer lei, direitos humanos, etc. Ele é uma espécie de ditador autojustificado pelo fato de ser criador e saber do que o ser humano precisa segundo Ele próprio.

2 - Sendo o mundo uma Teocracia a própria legalização do sexo sem casamento, orgias, e homossexualidade é uma manifestação de uma rebelião. Teocraticamente essas praticas são proibidas. Não importa se você é homossexual, ateu, ou o que for: teológicamente falando você não pode dizer que o Deus bíblico apóia homossexualidade sem uma nova revelação, em cima do que Deus já disse. De ponta a ponta a bíblia nunca cedeu qualquer apoio a homossexualidade, ainda que as punições violentas do velho testamento tenham sido reprimidas. "vá e não peques mais"

3 - Em resumo, em se tratando da parte de Deus já estamos errados há MUUUITO tempo.

Agora vamos para o campo cientifico

1 - Em termos de biologia, eu poderia dizer que o comportamento sexual é infertil e desrregular, e que causa perda do dimorfismo sexual do grupo que o possui.

2 -  Logo, sociológicamente falando eu posso considerar a pratica danosa uma vez que uma nota falsa em meio a notas reais contamina nosso conforto com todas as notas. Ou seja: um travesti eficiente em enganar prejudica a todos os héteros. Sociológicamente falando há portanto possiveis desvantagens na pratica homossexual e razão suficiente portanto para querer desincentivar a pratica. Isso fora outros citaveis como argumentos que há doenças tipicas das praticas não convencionais de sexo anal e oral que se pega com maior frequencia assim e se espalha a outros, etc.

3 - Eu posso defender o sistema social que eu quiser, inclusive um sistema de alto rigor como o da exigencia do casamento heterossexual e apoio só a sexualidade padrão, se quiser. Pode haver vantagens e desavantagens em qualquer sistema social, e eu posso levantar o que eu considero mais vantajoso. Leia o artigo sobre vantagens do sistema do casamento, se quiser saber mais algumas.

4 - Como já tem sido desmentido: homossexualidade não é fruto de determinação genética. Tem irmão gemeo que um é e outro não. Fora os que são bissexuais, e os que mudam de preferencia ao longo do tempo mais de uma vez. Basta pesquisar sobre. E mesmo que o fosse, doenças genéticas também o são, algo não ter cura (o que já é mentira) não significa que precisamos aceitar. Senão parariamos o combate ao cancer e aids.

Voltemos nossos olhos portanto para a questão principal: numa democracia que definiu como direito que todo cidadão tenha a liberdade de escolha da sua sexualidade, e que não seja discriminado por tal coisa, ao mesmo tempo que tem uma definição de casamento com base heterossexual, somos obrigados a legalizar o casamento homossexual?

Não pergunto teocraticamente, pergunto democraticamente. Segundo leis.

Nós temos um dever que ninguém seja discriminado: hetero, homo, homem, mulher, qualquer idade, qualquer raça, qualquer religião.

Porém não posso eu por exemplo tendo 17 anos de idade mentir que tenho 18. Mesmo que isso culmine em diferente tratamento para mim, ou que eu me sinta mais velho ou que diga "sou um adulto por dentro", não poderia ter acesso a certos direitos exclusivos de adultos.

De forma semelhante, eu sendo homem não tenho direito a gestão maternidade, lei maria da penha ou aposentadoria na mesma idade da mulher. São coisas até discutiveis (exceto a gestão maternidade por razões obvias) mas que evidenciam o seguinte: nossas leis tem como principio tratar pessoas igualmente mas há exceções, há tratamentos voltados especificamente segundo o que a pessoa é ou não. Não deveriamos ser obrigados portanto a legalizar que um homem genéticamente falando seja considerado mulher, e mude de genero assim como não diminuimos a idade de uma mulher se ela faz uma cirurgia para parecer mais jovem.

Quero que entendam: um raciocionio que diz que devo aprovar o casamento homossexual é equivalente a um raciocinio que tenho de aprovar o casamento poligamico. Teologia de fora, ambos tem quem apoie, ambos tem quem deteste a idéia de que se aprove e ambos estão baseados na idéia de não haver discriminização. Se assim o for eu poderia ser forçado a legalizar casamento consigo mesmo, com boneca inflavel, com animais... Enfim...

"ah, não seja absurdo, praticamente ninguém pede essas coisas". EXATAMENTE!
O argumento para que eu não legalize tais coisas é com base na pressão social, na demanda. Se uma pessoa pede uma coisa dessas, eu posso dizer "dá o fora daqui, seu doido", mas se há pressão social suficiente eu posso me ver obrigado a fazer tais coisas.

Isso porque a liberdade sexual existe, mas não a liberdade de casamento. O casamento constituido foi dado a familia hetero, e apenas a eles até o momento. É lógico que isso significa uma diferenciação entre homossexuais e hétero em capacidade de ser tratados por igual, mas eu não preciso legalizar um jovem ter beneficios de idoso para estacionar, e tb não preciso necessáriamente MODIFICAR um conceito de casamento (afetando portanto toda a sociedade) em prol de uns poucos excentricos manifestantes legalizadores da pedofilia que dizem "liberdade sexual, sem discriminação". Na pratica, a necessidade da ordem bloqueeou eles e nos fez discriminadores: sequer permitimos que expressem sua sexualidade, apesar de muitos falarem como se não pudessem deixar essa fantasia.

Ou seja, em resumo: o conceito de discriminação não afeta todos os direitos. Um homem não pode ser considerado legalmente mais velho, e não deveria poder ser considerado mulher, e vice-versa. Isso é discriminação? Sim, é diferenciação. Mas é justiça. Afinal: não somos iguais.

Os direitos dados aos homossexuais (e aos que fazem sexo sem casamento, que hoje nos seduzem ao seu estilo de vida) afetarão a sociedade como um todo, e cabe a todos lutar por uma sociedade justa. Se a sociedade como um todo não quiser aprovar, sim é caso de não aprovação.

Já falei e falo de novo que acho que a homossexualidade, sexo sem casamento e várias praticas sexuais deveriam ser proibidas. Isso falo por utilidade social e por crer que devemos obediencia ao que considero legitmo dono do mundo. Isso não significa porém que a sociedade em si iria achar justo, muito pelo contrario, porque a justiça para muitos envolve mais do que estar certo, envolve liberdade de fazer algumas coisas erradas e principalmente, de decidir por si o que acha certo.

Continuarei porém portanto pessoalmente defendendo que nós sigamos para o sistema da ordem social gerada pelo sistema do casamento, que sim, limitaria o seu direito de expressão sexual mesmo sendo hetero, mas é um sistema social que poderia ser aceito como qualquer outro, como o nosso sistema que proibe uma expressão sexual que é a da pedofilia.

Em suma da suma: se o próprio país discrimina o que fere o seu direito a liberdade de orientação sexual, no caso da pedofilia por exemplo, e até a criminaliza, apesar de seu dever com a liberdade sexual, porque você tem obrigação de aprovar um conceito de casamento que vai modificar a sociedade em que VOCÊ vive?
Lembrando que você nem está proibido homossexuais de praticarem a homossexualidade, e o seu estado está PROIBINDO uma expressão sexual.

A razão? O bom senso do estado considera que pedofilia é danosa. E o seu bom senso, te diz o que?

PS - Agora me lembrei que alguns ativistas gays tb apoiam a pratica da sexualidade infantil, e nas marchas gays tem sexo e nudez publica enquanto isto ainda é considerado crime. Fica mais uma dica de fantasia sexual que o estado AINDA criminaliza.

Nenhum comentário:

Postar um comentário