quinta-feira, 13 de junho de 2013

Relembrando - Direitos homossexuais e o governo

Ouço muito quando se tenta iniciar uma discussão produtiva acerca da homossexualidade que não se deve discutir, dizer se é certo ou errado, se é bom ou ruim, etc, o que se deve é respeitar os direitos.

Parece bom, mas oculta a verdade: o que determina se algo pelo governo é:

- Permitido e incentivado e obrigatório - Como obedecer leis de transito
- Permitido e incentivado, mas não obrigatório - Como ser ecológico no dia a dia
- Permitido, sem incentivo ou desincentivo somente - Como assistir TV ou sexo casado ou sem casar
- Permitido, mas desincentivado - Como o fumar
- Proibido - Como roubo, assassinato, estupro, pedofilia nudez em local publico, etc

é a qualidade moral e a valorização social da ação.

Assim, após doutrinar a população com ajuda do governo e da midia de modo não imparcial sem direito a debate de que a homossexualidade é BOA, NATURAL e SAUDAVEL, jogar que não interessa a questão, o que importa é respeitar o direito é incorreto.

O governo tem uma lei de não discriminalizar pessoas por preferencias sexuais. Na pratica porém ele criminaliza pedófilos e não legaliza casamento com varias pessoas, animais, bonecas inflaveis ou o que for.
(isto é, em nosso país, por hora).

O governo não tem dever de não se pronunciar a respeito de preferencias sexuais, ignorando seus impactos sociais, males e beneficios a individuos, etc. Ele não tem obrigação de tratar todas as preferencias como iguais e legalizar qualquer noção de casamento concebivel no desejo sexual de alguns individuos. O principal fator não tem sido os beneficios e males, nem a afirmação de que ninguém deve ser discriminalizado por sua orientação sexual, nem a religião, mas a pressão social.

Logo, faz-se em absoluto que todo ativista da homossexualidade se disponha a defender que sua pratica, longe de ser criminalizavel, é não apenas toleravel, mas incentivavel. Seguindo lógica oposta, no mesmo dia em que legalizassemos um casamento homossexual deveriamos seguir o principio para permitir qualquer tipo de casamento de qualquer um que tenha uma fantasia sexual.

Falo as vezes de coisas raras como zoofilia e pedofilia, mas em outros paises e mesmo no Brasil algumas dessas coisas são legalizadas, e/ou praticadas. A bissexualidade que faz parte do movimento LGBT também, pela própria idéia da preferencia sexual de aceitar os 2 generos, leva naturalmente a uma grande probabilidade de aprovação deste tipo de casamento.

Impor que a uma sociedade que legalize tudo o que é casamento numa tentativa de legalizar um principio que por si só já contradiz outras leis e não se basea em estudo cientifico, e apenas numa tentativa de incentivar o respeito (o que por si é bom) é impor uma alteração na sociedade muito grande, e é total direito da sociedade repensar se esses principios eram corretos a inicio e se estão sendo corretamente aplicados.

Sirvam-se de artigos na seção homossexualidade portanto para ver prós e contras da pratica.

Nenhum comentário:

Postar um comentário